Cá com meus botões


As redes sociais nasceram para que nós pudéssemos contatar mais pessoas e trocar cada vez mais experiências com as postagens publicadas. Há alguns anos, quando eu entrei no Facebook, tive a pretensão de expor algumas idéias sobre meu trabalho e minha visão de mundo.  O intuito era propor a reflexão e potencializar a troca de aprendizado sobre o comportamento humano, independente de algumas polêmicas (ou apesar delas). Sempre fui muito bem acolhido por todos e a partir daí começaram a surgir (ou fazer parte do convívio) pessoas que nunca tive o prazer de conversar ou conhecer pessoalmente, e ao longo do tempo, os chamados “amigos do face”, se multiplicaram chegando a mais de 4.600 e tornando-se queridas “cumadis"  e queridos “cumpadis”. Para minha honra, me acompanharam e estimularam a exposição das idéias propostas, criando assim,  uma REDE especial de ávidos curiosos sobre o tema comportamento humano.

Por outro lado, com a oportunidade adquirida em 30 anos de exercício da profissão (médico-psiquiatra), onde hipoteticamente pude conhecer aproximadamente 70.000 histórias de vida de pessoas que tentei ajudar, e principalmente, aprender muito com elas sobre a condição humana, percebi a necessidade de organizar melhor essa troca de informações. Expor, esclarecer alguns conceitos, aprofundar temas específicos, oferecer idéias, opiniões, visão de mundo e manter o principal objetivo: reflexão. Daí nasceu à proposta de segmentar os assuntos em seções específicas com maior abrangência: RELACIONAMENTOS, TRANSTORNOS MENTAIS, AUTOCONHECIMENTO, além do CÁ COM MEUS BOTÕES (minhas reflexões pessoais) e RETRATOS DA VIDA (fotos com pequenos textos sobre e/do cotidiano humano).

Portanto, tornou-se imprescindível revitalizar nosso espaço de trocas através de uma fanpage, para explicar melhor alguns conceitos e idéias a respeito dos temas, bem como a construção de um site/blog acolhedor e esclarecedor, com uma estética mais  apropriada para mantê-lo interessado na leitura e mais acessível às informações. Saliente-se que, ao longo desse nosso processo e convívio, em algum momento comecei a finalizar meus textos com a chamada “assim continuo proseando, cá com meus botões”, com o intuito de demonstrar que o exposto ali não era uma verdade absoluta ou algo que não pudesse ser debatido. Penso que nesses novos espaços (site/blog e fanpage), esta proposta é indispensável e necessária, pois, entendo que a construção conjunta e a adição de novos pontos de vista (sobre qualquer tema) favorecem o intercâmbio e o aprendizado interpessoal.

Afinal, a despeito de tudo que foi e será feito ou que fizermos juntos, a prosa tem que continuar... Sempre! E assim continuarei proseando, cá comigo e com vocês. 

Recomendamos para você